Institucional
Sobre a Fundação
Diretoria e Conselho
Santos Dumont
Pioneiros
Curiosidades
Links
Fale Conosco
 
Galerias de Imagens
Todas as Galerias de Imagens
Restauro do Jahu
Aeronaves Modernas
Acervo
Aviões Antigos
Galeria de imagens do acervo
 
Vídeos
Galeria de Videos
 
 
Centro Historico Embraer
Embraer

Acervo

Acervo da Fundação SANTOS DUMONT

A Fundação Santos Dumont possui um precioso acervo, com obras originais, réplicas e maquetes, abrangendo várias categorias. Apresentamos listagem preliminar das obras. Parte das peças está exposta na Base Aérea, em Guarulhos, no nosso Museu e outra parte encontra-se acondicionada na nossa reserva técnica.

Aeronaves

O Museu possui diversas aeronaves, sendo que quatro destas são preciosidades históricas pelos feitos que protagonizaram. A primeira delas é uma réplica de época do 14 Bis, em tamanho natural. Talvez a única no mundo hoje. A Demoiselle nº21, original, na qual Santos Dumont voou. O hidro-avião Jahú, que pertenceu à João Ribeiro de Barros, responsável pela primeira travessia do Oceano Atlântico em 1926/27, que está em fase final de restauração, produto de convênio entre a Aeronáuticas Brasileira e Italiana, HeliPark e TAM. E, o Cessna 140 que pertenceu à Ada Leda Rogato, e com ele tornou-se a piloto responsável pela travessia entre as três Américas. Este avião foi autografado ao longo da travessia.

Listagem das aeronaves:

• Réplica do 14 Bis -1906
• Original Demoiselle nº 21
• Savoia Marcchetti S-55
• Cessna 140
• Wacco CSO
• Curtis Wright –16W
• EAY-201 Ypiranga
• CAP-4 Paulistinha
• Muniz M-7
• Fairchild PT-19
• Fokker S11 (T21)
• North American T-6D
• Republic P-47D, Thunderbold
• Gloster Meteor MK-8
• Bandeirante YC-95
• Planador Stratus IPT- 6
• Planador Caboré IPT-12A
• Autogiro – WR 1
 

--------------------------------- 14 bis (Especificações Técnicas) ---------------------------------

Motor Levasseur “Antoinette”, de 50 hp
Peso Completo 160 kg
Comprimento 10,00 m
Altura 4,81 m
Envergadura 12,00 m

Criado por Santos-Dumont, o 14 bis voou pela primeira vez em 23 de outubro de 1906, em Bagatelle, França. Decolou sem o auxílio de dispositivos de lançamento. Percorreu 60 metros em 7 segundos perante mais de mil espectadores. Esteve presente, a Comissão Oficial do Aeroclube da França, entidade reconhecida internacionalmente e autorizada a homologar qualquer evento marcante, tanto no campo dos aeróstatos como no das aeronaves mais pesadas que o ar.

Em 12 de novembro do mesmo ano, novamente decolando por seus próprios meios, percorreu 220 metros em 21,5 segundos, estabelecendo o recorde de velocidade da época. (36,84 Km/h).

Esta peça é uma réplica, em tamanho natural. Foi executada no Brasil, em 1906.


------------------------- Demoiselle N.º 21 (Especificações Técnicas) -------------------------

Motor Dutheil-Chalmers - 24/30 hp ou Darrack, 30 hp
Peso Total com piloto 118 kg
Peso do Motor 50 kg
Comprimento 8,00 m
Envergadura 5,10 m
Diâmetro da Hélice 1,50 m
Passo da Hélice 1,05 m
Velocidade 80 km/h
Superfície Sustentadora 10 m2

Em 1907, Santos-Dumont criou seu mais popular aeroplano, o “n.º 19”, que o povo parisiense chamou de "Demoiselle", devido a sua graciosidade e semelhança com as libélulas. Todavia, durante as primeiras experiências, o "n.º 19" sofreu um acidente, ficando seriamente avariado. Dois anos depois, aproveitando características e formato do “n.º 19", foi criado o “Demoiselle n.º 20". Sua fuselagem era construída com longarinas de bambu com juntas de metal e as asas cobertas de seda japonesa, tornando-o leve, transparente e de grande efeito estético.

Em rápida sucessão, Santos-Dumont projetou e construiu mais duas versões aperfeiçoadas do Demoiselle, o “n.º 21” e “n.º 22”. Na época, era o menor avião do mundo, podendo pousar e decolar em 80 metros de terreno gramado. Este é o “Demoiselle n.º 21”. Santos Dumont voou de Paris a Wideville. Pousou no Parque do Castelo D’aion, pertencente a seu amigo o Conde Gallard, numa distância de 18 km, realizando o 1º raide feito no mundo, em 17/09/1909. Santos-Dumont não patenteou esta invenção, deixando as pessoas livres para fabricá-lo, tornando-se assim, o primeiro avião popular.

Além da França, outros países como Estados Unidos, Alemanha e Holanda também construíram o Demoiselle.


------------------------- Muniz M7 PP-TEN (Especificações Técnicas) -------------------------

Motor Gipsy Major de 130 hp
Peso Completo 895 kg
Comprimento 7,24 m
Envergadura 9,00 m
Performance
Velocidade Máxima 182 km/h
Velocidade de Cruzeiro 151,6 km/h
Teto 4.500,00 m
Alcance 625 km

O "Muniz M7" é um avião biplace, destinado à instrução primária acrobática. Projetado pelo Maj. Av. Eng. Antônio Guedez Muniz, foi o primeiro avião a ser construído em série no Brasil. Seu 1º vôo de ensaio foi realizado em 17 de outubro de 1935, e sua apresentação oficial em 31 de outubro daquele mesmo ano, sempre pilotado pelo Cap. Av. Geraldo Guia de Aquino.

Entre 1936 e 1944, foram construídas vinte e cinco unidades do "M7", e quarenta unidades do modelo "M9", diferindo, o primeiro, apenas na potência do motor e na capacidade de combustível. Restam duas dessas aeronaves. Uma delas é nossa.

Com exceção do protótipo, os demais foram construídos nos hangares da Fábrica Brasileira de Aviões, pertencente à Companhia de Navegação Costeira de Henrique Lage, conferindo ao Brasil um alto índice de nacionalização dos aviões.

Dos modelos do avião "Muniz" , os "M7" foram usados por aeroclubes e os "M9", foram empregados na instrução de vôo da Escola de Aviação Militar.


---------------- P-47D Thunderbolt FAB 226450 (Especificações Técnicas) ---------------

Motor Pratt & Whitney R 2800, 2.300 hp
Peso de Combate 8.000 kg
Comprimento 11,00 m
Envergadura 12,40 m
Performance
Velocidade Máxima (3.000 m) 690 km/h
Teto 12.000 m
Velocidade Máxima (nível do mar) 560 km/h
Alcance 1.520 km

Armamentos 08 metralhadoras 50 M2, com 267 ou 425 cartuchos por arma e até 1.134 kg de bombas ou 06 foguetes HVAR de 5 polegadas. O “P-47” foi um dos principais caças americanos usados nos combates aéreos da Segunda Guerra Mundial. Seu protótipo, “XP-47”, foi projetado em 1939 pela Republic Corporation. Efetuou o primeiro vôo no início de 1941. Em 1942, a versão “P-47B” foi liberada para fabricação em série. No início de 1943, duas esquadrilhas americanas já operavam com Thunderbolts na Europa.

Inicialmente utilizado na escolta dos bombardeiros “B-24” e “B-17”, provou ser um excelente caça-bombardeiro quando recebeu tanques extras, para missões contra alvos distantes. Os “P-47” atuaram em todas as frentes de combate da Europa e do Pacífico, integrando diversas forças aéreas, entre as quais a Força Aérea Brasileira que com eles equipou o 1º Grupo de Aviação de Caça, destacadando-se nos combates na Itália até o final da guerra. Com o término do conflito, foram destinados ao Brasil mais 69 "P-47D". As aeronaves remanescentes da campanha italiana e adquiridas no pós-guerra, foram incorporadas aos Grupos de Aviação de Caça, voando até 1957, quando foram substituídas por caças mais modernos.

Atualmente essa aeronave está sendo restaurada pela TAM, e voltará para a Fundação Santos Dumont em 2009.


---------------- EAY – 201 “YPIRANGA” PP-TLS (Especificações Técnicas) ---------------

Motor Franklin 65 hp
Peso vazio 321 kg
Peso máximo decolagem 538 kg
Comprimento 6,70 m
Envergadura 10,77 m
Altura 2,10 m
Performance
Velocidade Máxima 170 km/h
Velocidade de Cruzeiro 135 km/h
Teto 3.800 m
Alcance 600 km

Construído em 1941 pela Empresa Aeronáutica Ypiranga, que funcionou no Campo de Marte em São Paulo. Foram construídas apenas cinco aeronaves esta é a número 02, cuja vida útil, 4400 horas de vôo, desenvolveu-se no Aeroclube de Marília – SP.


------------------ FAIRCHILD PT -19 FAB 0508 (Especificações Técnicas) ------------------

Motor Ranger L – 440-1 de 175 hp
Peso total 1.143 kg
Comprimento 8,50 m
Envergadura 11,20 m
Altura 2,20 m
Performance
Velocidade Máxima 200 km/h
Velocidade de Cruzeiro 181 km/h
Teto 3.965 m
Alcance 690 km

A Força Aérea Brasileira adquiriu nos Estados Unidos, da empresa Fairchild, os aviões PT-19, que foram por ela utilizados para treinamento primário nas décadas de 40 e 50. Trinta destes aparelhos vieram dos Estados Unidos e outros 220 foram construídos no Brasil pela Fábrica do Galeão, no Rio de Janeiro, entre 1944 e 1947.

Depois de desativados pela FAB, os PT-19 foram doados aos aeroclubes onde muitos continuaram em serviço até 1978. Com o FAB 0508 o Cel Av Ozires Silva, fundador da EMBRAER, realizou o seu primeiro vôo solo.


------------------ CAP-4 PAULISTINHA PP-TBF (Especificações Técnicas) -----------------

Motor Franklin, 65 hp
Peso total 540 kg
Comprimento 6,65 m
Envergadura 10,1 m
Performance
Velocidade Máxima 155 km/h
Velocidade de Cruzeiro 140 km/h
Teto operacional 4.000 m
Alcance 500 km

O PP-TBF, originalmente com um motor radial de 40 hp, foi o protótipo das aeronaves EAY-201 construídas em 1941 pela Empresa Aeronáutica Ypiranga. Posteriormente, com a transferência de seus direitos de fabricação para a Companhia Aeronáutica Paulista, o Paulistinha foi convertido no protótipo das aeronaves CAP-4, das quais foram construídas 777 exemplares entre 1943 e 1948.


---------------- Gloster Meteor MK-8 FAB 4440 (Especificações Técnicas) ---------------

Motor 2 turbinas Rolls Royce Derwent 8 turbo jato
com 1.586 km de empuxo cada um a 14.700 rpm
Peso total, com ataque ventral a pleno 7.368 kg
Comprimento 13,59 m
Envergadura 11,32 m
Performance
Velocidade Máxima ao nível do mar 952,5 km/h mach. 78
Velocidade Máxima a 12.192 m 852,8 km/h mach. 81
Teto 13.441m
Alcance 1.690 km com tanques internos; tanque
ventral a pleno 1.909 l e 795l respectivamente
Armamento 4 canhões de 20 mm com 780 cartuchos;
8 a 16 foguetes HVAR de 127 mm ou 2 bombas de 454 kg

Aeronave de caça, fabricada na Inglaterra pela “Gloster Aircraft Co. Ltd.”, os Meteor, em um total de 70 aeronaves. Foram os primeiros caças a reação, da Força Aérea Brasileira entre 1952 e 1972, onde foram mais conhecidos por F-8. Em abril de 1953, os quatro primeiros, biplaces TF-7, foram montados na Fábrica do Galeão.

O primeiro vôo ocorreu em 22 de maio de 1953 e a montagem continuou naquela organização, até o último avião. Atualmente essa aeronave está sendo restaurada pela TAM, e voltará para a Fundação Santos Dumont em 2009.


---------------- North American T-6D FAB 1390 (Especificações Técnicas) ---------------

Motor P&W 1340 – NA-1 de 550 hp normal e 600 hp de emergência
Peso completo 2.406 kg
Comprimento 8,8 m
Envergadura 12,9 m
Performance
Velocidade Máxima 331,2 km/h
Velocidade de Cruzeiro 272 km/h
Teto 6.560 m
Alcance 1.200 m

Entre 1946 e 1951, foram construídos 81 aviões T-6D pela Fábrica de Aviões de Lagoa Santa, em Minas Gerais, sendo o FAB 1390 um destes. Os “T-6” foram as primeiras aviões a equipar a Esquadrilha da Fumaça, esquadrilha de demonstrações acrobáticas da Força Aérea Brasileira.

“Após a desativação dos T-6 da Força Aérea Brasileira, foi o 1390 doado para a Fundação Santos Dumont, onde se encontra até hoje”. Este permaneceu na Esquadrilha da Fumaça, de agosto de 1968 a agosto de 1973. Cada piloto voava, preferencialmente, sempre no mesmo avião. Questão de intimidade com a máquina, cada um tem o seu “cacoete”. Assim sendo, coube-me a vez de voar no “1390”, durante cinco anos, o que equivaleu a várias missões cumpridas. A mais extensa e mais cheia de emoções foi a “missão Guatemala”, fazendo ainda demonstrações na Guiana, Venezuela e Panamá. Com a duração de 28 dias, com pequenos atrasos, devido ao mau tempo, foram feitas quatro demonstrações e percorridos, aproximadamente, em 90 hs de vôo, 21600 km, somando-se a ida e a volta”.

Antônio Arthur Braga

O Cel Av R/R Braga serviu na Esquadrilha da Fumaça por 17 anos, sendo o mais conhecido de seus ex-comandantes.


------------------ FOKKER S11 ( T21) FAB 0774 (Especificações Técnicas) ----------------

Motor Lycoming O435A, 190 hp
Peso 1100 kg
Comprimento 8,17 m
Envergadura 11 m
Performance
Velocidade Máxima 209 km/h
Velocidade de Cruzeiro 164 km/h
Teto 3850 m
Alcance 640 km

Avião monomotor, de treinamento primário, designado T 21 pela FAB, foi destinado à Escola de Aeronáutica, em substituição aos PT-19, foram, por sua vez, substituídos pelo T-23 “Uirapuru” em 1970, oportunidade, em que foram doados para vários aeroclubes.

O T-21 foi produzido no Brasil pela fábrica do Galeão, onde foram construídas 95 unidades sob licença da Fokker Holandesa, tendo sido montados mais cinco exemplares recebidos diretamente da Holanda. .O modelo original denominado S11, voou pela primeira vez em 1947.


----------------------- CESSNA 140 PT- ADV (Especificações Técnicas) ----------------------

Motor Continental C-85-12/85 hp
Peso total 658 kg
Comprimento 6,32 m
Envergadura 10 m
Altura 1,91 m
Performance
Velocidade Máxima 205 km/h
Velocidade de Cruzeiro 165 km/h
Teto 4.725 m
Alcance 505 km

Aeronave biplace, produzida pela Cessna Aircraft Co, foi empregada pela aviadora Ada Leda Rogato em seu vôo solo pelas três Américas, ao término do qual, recebeu o título de Pioneira das Américas.


----------------- BANDEIRANTE YC-95 FAB 2131 (Especificações Técnicas) ---------------

Motor 2 United Aircraft (Pratt & Whitney) PT 6A, 550 hp, turbohélice
Peso 4.500 kg
Comprimento 12,74 m
Envergadura 15,42 m
Performance
Velocidade Máxima 430 km/h
Teto 9.000 m
Alcance 1.850 km a 5.000 m e 30’ de reserva

O FAB 2131 é o segundo protótipo das aeronaves “Bandeirante”, que ensejou a implantação da EMBRAER. A fabricação do primeiro protótipo, FAB 2130, teve início em meados de 1966 e o seu primeiro vôo foi realizado em 22 de outubro de 1968, tendo sido tripulado, naquela ocasião, pelo piloto de provas Maj. Av. Eng. José Mariotto Ferreira.

Avião de transporte leve, bi-turbohélice, com acomodação para 2 pilotos e 7 passageiros o FAB 2131 realizou o seu vôo inicial em 19 de outubro de 1969.


----------- PLANADOR “STRATUS” I P T- 6 PT-PAJ (Especificações Técnicas) ---------

Peso vazio 158 kg
Comprimento 6,80 m
Envergadura 15,00 m
Alongamento 14 m
Superfície 16 m2
Carga alar 15 kg/m2
Performance
Velocidade máxima de reboque 135 km/h
Velocidade de planeio ótimo 56 km/h
Planeio máximo 1,25 m
Afundamento mínimo 0,65 m/s

Projetado por João Lepper e construído na seção de aeronáutica do Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo, voou de 15 de janeiro de 1944 a 06 de dezembro de 1981.


----------- PLANADOR “CABORÉ” IPT-12A PT-PBT (Especificações Técnicas) ---------

Peso vazio 160 kg
Comprimento 6,80 m
Envergadura 12,00 m
Alongamento
Altura 1,25 m
Superfície
Carga alar 20 kg/cm2
Performance
Velocidade máxima de reboque
Velocidade de planeio ótimo
Planeio máximo
Afundamento mínimo

Construído pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo, como IPT-12 em 1949. Reconstruído como IPT – 12A em 1950 e retirado de serviço em 1972. Modelo Experimental, um tripulante, até 85 kg.


------------------- AUTOGIRO - WR11 PP-ZWR (Especificações Técnicas) -----------------

Motor VW 1900 cc.
Combustível Álcool : 40 l
Consumo 10 l/h
Carga 250 kg
Performance
Velocidade máxima 190 km/h
Velocidade de Cruzeiro 125 km/h
Distância de decolagem 100 m
Altura máxima 4.000 m
Pouso 10 m.

Autogiro ou Girocóptero, construído pela Aero Kits Ind de Aviação Experimental Ltda.
Série Gaivota, modelo WR11 número 200, com motor a álcool.
 

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Peças e objetos de Santos Dumont

Estas peças, em sua maioria, compõem o acervo de objetos pessoais e inventos de Santos Dumont, São maquetes das casas da infância e Encantada, dos balões, dirigíveis e aeroplanos. ferramentas, aparelho marciano, canhão paradoxal (salva vidas), chapéus, cestos de balões, guide rope (corda), bambus usados por Santos Dumont, alguns em suporte de madeira, par de luvas de pelica, gorro de corrida, óculos de corrida, par de esquis, aros de dirigíveis, coroas de dirigíveis, cesto original do 14 Bis, cesto original do Balão Brasil, pipa pertencente a Santos Dumont, pedais, direção e rodas do dirigível n° 05, motor que Santos Dumont utilizava para confeccionar os tecidos dos balões, válvulas de ar originais de balões de Santos Dumont, moedas comemorativas de cinco mil reis c/estampa de Santos Dumont, revistas/ jornais/ suplementos contemporâneos a Santos Dumont, cartas e manuscritos, máscara mortuária de Santos Dumont.


Negativos de vidro


O acervo possui cerca de 400 negativos de vidro. São importantes pelo valor iconográfico e pela raridade do artefato. Compõem-se de imagens aéreas, provavelmente dos anos 20 e 30.


Pinturas e Esculturas


O acervo possui retratos de Santos Dumont, dos seguintes pintores: Kazuo, Alfredo Rocco e Del Vechio. Ilustrações de Santos Dumont na visão de caricaturistas, sendo duas caricaturas do francês Sem e de Moacyr Campos.
Contamos também com obras relativas a João Ribeiro de Barros e Bartholomeu de Gusmão, em telas de várias dimensões, com atribuição à Benedito Calixto.
Entre as esculturas, temos bustos de bronze de Santos Dumont, um deles atribuído à Brecheret e uma chamada de “A Fama”. Painel tríptico de Karl Platner e Wesley Duque Lee.


Várias Coleções

O Museu de Aeronáutica abriga coleções de outras personalidades de extrema importância para a história da aviação, como João Ribeiro de Barros, Augusto Severo , Ada Leda Rogato, Edu Chaves e Amadeu Saraiva, entre outros. Essas coleções seguem o mesmo padrão do acervo: objetos pessoais, condecorações, fotografias, documentos, obras de arte e aeronaves.
.

Demais peças do acervo pertencentes à Fundação

• Imagem de Nossa Senhora do Loreto
• Maquetes do Balão Brasil e dos dirigíveis: 1, 3, 6, 9, 10 e 16
• Maquete do dirigível nº 6 contornando a Torre Eiffel
• Réplica do V.L.S.
• Réplica do Satélite de Coleta de dados
• Maquete da torre de comando do Aeroporto
• Fotos diversas sobre papel
• Cartazes com reproduções de fotos: 14 Bis, Demoiselle,
Balão Brasil e Torre Eiffel
• Maquete do Avião ”Catalina”
• Quadros: “A FAB e os índios”, “Guarulhos década de 30”,
“Base Aérea década de 40”
• Maquetes do 14 Bis
• Santos Dumont (contorno), Feito em ferro (doação da Marinha)
• Documentos variados: brevet de nº 88, carta e licença de piloto de recreio ou esporte/1930, passaportes, convites da Itália p/ aviadores transoceânicos, carteira de motorista (automóvel), caderneta de piloto do aeródromo de Campinas, carteirinha do Clube Comercial – 1929, presente de Manoel Julio de Oliveira – livro escrito em seda p/J.R.B. em homenagem ao JAHÚ, saquinho de leite homenagem ao JAHU
• Taças e escudos, escudo de prata ofertado pelas mulheres de Campinas, taça de prata ofertada pelo Colégio Nóbrega de Recife, taça ofertada pela colônia do Japão, troféu Harmon.
• Materiais Diversos: canhão, âncora, quadro – Sebastião Ribeiro de Barros - (Pai) e Margarida de Oliveira Barros – (Mãe), placa de Rua com o nome de João Ribeiro de Barros, colarinho assinado (que salvou a vida de J.R.B.), peça de ferro (usada para sabotagem do JAHÚ)


Biblioteca

A Fundação Santos Dumont possui uma biblioteca com cerca de 2600 livros e 1700 revistas. É considerada uma das mais completas em relação a assuntos aeronáuticos, contando com exemplares raros, em diversos idiomas, abrangendo o século XIX, XX e XXI.


Fundação Santos Dumont
Inês Coutinho
Diretora – Museu

 
 Voltar
© Copyright 2005-2013 - Fundação Santos Dumont - Todos os Direitos Reservados